Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Uncategorized’ Category

Termino esse hoje, que está 65% pronto. E não, não é o mesmo conto de um post anterior. Publico a pedidos.

###

“A primeira lança veio contra as costelas e, em seguida, o sabre no pescoço”, disse o Bodhisattva, girando para o lado à procura da grossa areia turquesa num prato de barro. O sábio retornou à postura e continuou a mandala e seu relato em sussurros. “Como vespas, a guarda real tomou o palácio. Pétala Outono sentia a queda dos guardas como se fossem folhas secas, muito antes deles mesmos perceberem que aquela seria sua última batalha. Sem tirar os olhos do príncipe, ela agachou-se, quase sentando no chão, agarrou com uma mão a lança zunindo sobre sua cabeça e com a outra socou o guarda na bexiga. Com o golpe, o guarda foi arremessado contra a muralha, um rastro de urina e sangue sendo deixado no caminho. Ela girou sobre os calcanhares, a lança ainda em punho, e saltou. O chute acertou a lateral da lâmina inimiga, que partiu ao meio com a fúria do golpe. Pétala Outono caiu com o mesmo pé à frente e percebeu quando um guarda às suas costas girou o kwan dao na direção do seu joelho mais atrasado. Usando a inércia da queda, ela projetou o corpo à frente, ergueu a perna que não era a base e cravou a lança na garganta do oponente com a meia arma em punho, que engasgado com aço e sangue, caiu para trás.

O Bodhisattva fez uma pausa e salpicou grãos azuis sobre uma planície de terra vermelha. “Príncipe Quatro Cascos Jade, pela primeira vez desde que a deusa pisou em seu palácio, ergueu o olhar, maravilhado.

“O kwan dao covarde assoviou no vazio por baixo da sola da imortal, mas o guerreiro girou a arma com as duas mãos por sobre o corpo curvado para trás e, fazendo uma alavanca, lançou um novo golpe, de baixo para cima, causando um grito de dor no ar. Do mesmo jeito que foi à frente, a deusa retornou o corpo. Num giro de cintura e tornozelo, bem no momento em que o kwan dao partia para o alto, ela se pôs de pé na lâmina e correu em direção ao guarda incrédulo. No meio da haste, já erguida a quarenta e cinco graus, a imortal saltou para frente com as mãos firmes na arma e aterrissou com os pés no ombro do inimigo. Com a força do salto, ela arrancou o kwan dao de suas mãos adversárias e, arremessando os braços para baixo, cravou o facão dos generais no espaço entre os pulmões do guerreiro. O corpo sem vida foi fraquejando aos poucos, de joelhos, e finalmente tombou com o ser celestial ainda equilibrado sobre ele.

“Dezenas de soldados estavam imobilizados de terror ao seu redor. Pétala Outono recolheu o kwan dao para suas costas, lâmina para baixo, e expirou devagar com a mão reta à frente dos seios, olhos faiscando com o acúmulo de chi. ‘Você faz poesia’, disse o príncipe rompendo o silêncio e a barreira de guardas, com um sorriso desconcertante no olhar.

Anúncios

Read Full Post »

Desafios do resenhista

Ontem descobri como é difícil resenhar uma história que eu realmente detestei.

Se fosse mal escrita, seria fácil. Se fosse um autor novato, seria fácil. Se eu me importasse minimamente com a história, seria fácil.

Resenhar sem parecer ofensivo, sem mostrar quanto a história me irritou, nem transparecer quantas vezes pensei “como isso é chato” vai ser muito difícil.

Alguém me ajuda?

Read Full Post »

FC na TV

A Imperatriz de Finisterra, Papisa do Orkut e Presidenta do Clube dos Leitores de Ficção Científica, Ana Cristina Rodrigues, avisa: hoje no programa Atitude.com da TV Brasil o tema é ficção científica. Para falar sobre o assunto, estarão no programa a própria sumo-sacerdotisa da FCB, Ana Cristina, além do escritor Clinton Davisson, autor de Hegemonia.

O programa será exibido às 18h. Mais informações no site da TV Brasil.

Read Full Post »

Egotrip

Tem uma entrevista muito interessante com um escritor deveras talentoso e, acima de tudo, bonito, bem barbeado e com um penteado impecável. Assista aqui.

Read Full Post »

No alto da montanha

Pelo jeito eu sou mesmo um eremita.

You are The Hermit

Prudence, Caution, Deliberation.

The Hermit points to all things hidden, such as knowledge and inspiration,hidden enemies. The illumination is from within, and retirement from participation in current events.

The Hermit is a card of introspection, analysis and, well, virginity. You do not desire to socialize; the card indicates, instead, a desire for peace and solitude. You prefer to take the time to think, organize, ruminate, take stock. There may be feelings of frustration and discontent but these feelings eventually lead to enlightenment, illumination, clarity.

The Hermit represents a wise, inspirational person, friend, teacher, therapist. This a person who can shine a light on things that were previously mysterious and confusing.

What Tarot Card are You?
Take the Test to Find Out.

Read Full Post »

Meu nome é interno  

por Jacques Barcia

Dia 1

Do lado de cá da córnea, a baía de Porto Maya é um guache marrom desfocado por uma mancha de catarata e pelo olhar nervoso de crack da prisão. Minha cela fica bem no meio do olho. Me disseram que ela se chama Padma. Aqui embaixo passa um nervo. E aqui dentro tem um poeta. Ou quase. Ou o que resta.

Me pergunto se sobra nem que seja a sombra de um verso, ou qualquer lembrança de beleza, depois que alguém, como eu, cruza a porta da Segunda Sessão e dá de cara com a mão brilhante de um animista, chircuitos forçando os chakras, expandindo o sonho à força, moldando medo e culpa em delação.

Espero que os camaradas lá fora perdoem este velho sonhador.

Primeiro dia. Meu mundo cheira a éter e plástico queimado. O cárcere bem que podia morrer de overdose.

Dia 2

A cela range e balança no embalo do tédio, pendurada num eixo que brilha, um tubo que exibe pensamentos ao vivo e vez por outra grita e nos olha todas as horas do dia. Nos olha. Todos nós, cada um em sua gaiola.

Hoje falei com Vizinho. Perguntei seu nome e ele respondeu vazio. “Tiraram meu nome, os filhos da puta. Ou então perdi. É o que acontece nessa porra”, ele disse, cabeça baixa olhando suas rodas. Eram dele mesmo, não de uma cadeira, e era pintada que nem seu corpo e sua cabeça comprida. Acho que o ouvi chorar. “O cara entra e vai perdendo o nome. E quando vai embora de vez, já era. Ninguém mais lembra, cara, nem lá fora. Tu vira mais um delírio de uma cabeça fodida de química”.

Vizinho contou o que lembrava de sua história. Disse que foi pego pela Segunda Sessão, como eu. “Caí no 9, no 17 e no 44. Pirataria de dreamware. Invasão de sonho compartilhado. Terrorismo oneiromidiático”, ele riu debochando. “Mas todo mundo jogou meu viral. E todo mundo riu deles”.

De mim, leram um verso e ouviram uns nomes. Nem era um bom verso. São bons os donos dos nomes. Rezo para que Vizinho esteja certo e me esqueçam.

Dia 3

Sei quando vira o dia não pela luz que atravessa a córnea, mas pela sirene de um trem que me acorda e despeja uma pequena multidão de três ou quatro estranhos no vazio logo acima de minha cabeça. Surge do nada e se despede no nada, o trem. Parte de uma plataforma vazia e segue por trilhos inexistentes.

São recebidos e conduzidos por pandemônios em armaduras de choro. As crianças gritam e babam e de vez em quando caem com um ruído metálico na plataforma. Vizinho disse que os detentos com bom comportamento varrem os corpos para o abismo. A brigada de limpeza. Não lembro de ter visto rebeldia.

Tive um sonho que se despediu de mim. Estava nos porões da Segunda Sessão recitando nomes, no escuro, e cada um deles era uma vespa enorme decolando de minha boca. Havia bolhas de sabão flutuando. Capturavam os insetos que depois eram conduzidos, bolhas e vespas, por um animista de dedos longos e máscara de nariz comprido. Um rosto fálico ejaculando escárnio enquanto se despedia.

Acordei tranqüilo, na certeza de que nunca mais sonharei com vespas.

Dia 4

Dois Carnavais chegaram sem anúncio ou ruído em minha cela. Uma chamei de Porcelana por algum motivo que me escapa e ela me respondeu um nome que me foge à memória. Me cumprimentou com carinho sóbrio, debaixo da máscara, e perguntou como eu estava. Dei de ombros, sem saber o que responder. Já me sinto em casa.

“Precisamos de sua ajuda uma última vez”, disse Porcelana. Eu tentei, juro que tentei, mas a imagem escapou de mim. Porcelana tocou o ar e vi mais uma vez o ambiente se tornar mosaico, girando, a prisão distorcida, um caleidoscópio que ela manipulava como uma parede de cubos-mágicos, procurando a solução para a quebra da minha cabeça.

“Encontrei”, disse o outro Carnaval, sua voz arrastada de satisfação. Ele girou um cubo para um lado, um segundo para outro lado, e foi montando a cena que traiu minha vontade. Em segundos, estávamos lá naquele palco. A metade atrás de mim era a jaula. À minha frente era a cena. “Converse com ela”, disse a máscara vermelha. Não há opção no pedido de um animista que já quebrou sua vontade.

Tomei chá com ela. Foi uma tarde maravilhosa.

Dia 1

Me declaro dono deste baú de melancolia. O achei largado junto à cama. Chamei pelo dono e não tive resposta. Procurei nas páginas e só havia um labirinto de rabiscos e formas. Sei que elas dizem alguma coisa desesperadamente triste, mas não consigo saber o quê. Então tomo para mim suas angústias e suas memórias. Me são tão familiares. É como se ver no espelho e reconhecer apenas o que foi um dia, sem conectar causa e efeito, apenas rugas no reflexo, a metade final da linha da vida.

Acho que fui devorado. Sinto que fui devorado e digerido porque sinto meu espírito flácido, minha carne menos física, meus dentes já não doem, meus dedos já não gritam. Escrevo nem sei por quê. Será que também vou deixar somente rabiscos para o próximo detento? Será que sonho que escrevo que sonho dentro de olho imenso? Será que penso ou pensam por mim?

Dia 2

Um raio de sol vazou por debaixo da cama. Piscando, como fugindo de trás de uma cortina trêmula. Um cubo do tamanho de um punho, pairando pouco acima do chão da cela. Girando rápido, dobrando a realidade, alternava seis faces e em cada face uma janela. Cheguei mais perto e toquei uma delas. Foi como uma onda de pequenos cubos: carpo, metacarpo e dedo. Punho, braço e medo. Parado, à minha frente, vi o contorno de uma baía à noite. Reconheço a paisagem de uma fonte mais borrada. Não reconheço o mundo lá fora.

Outro dia

Mais uma sirene. Mais um trem e mais um desfile de prisioneiros. Os pandemônios à frente, chegaram pelo corredor com uma mulher bonita, junto mais três ou quatro jovens com cara de guerra. Me olharam feio. Me chingaram sem adjetivo ou verbo. Cada um posto numa cela, à minha frente e ao lado dela.

A moça sentou no canto da cela, soluçando, sozinha. Rasguei uma página do diário, uma a mais, uma a menos, tem tantas folhas vazias. “Olá,” eu escrevi, “meu nome é Interno”. Amassei e joguei para ela. Quase com nojo ela jogou o papel no vazio, como faz a brigada de limpeza.

 
 
* Este texto está sob a  Licença Creative Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil Commons.

Read Full Post »

Tá lá no Post-Weird Thoughts. Meu sócio Fábio foi convocado pelo autor (e um dos responsáveis pelo blog da Amazon) Jeff VanderMeer para blogar em seu lugar durante suas “férias” do blog. Fábio fica do dia 21 ao dia 25. A lista de convidados inclui ainda gente como Catherine M. Valente, Ekaterina Sedia, Matt Staggs, Horia Hursu e Cat Rambo.

Esse rapaz me enche de orgulho. Acho que ele tem futuro.;)

Read Full Post »

Older Posts »